Condições de oferta do ensino remoto emergencial nos cursos de graduação em arquitetura e urbanismo da UFMG

De Colegiado dos Cursos de Arquitetura e Urbanismo da UFMG
Revisão de 20h55min de 21 de julho de 2020 por Marcelomaia (discussão | contribs)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Condições de oferta do ensino remoto emergencial nos cursos de graduação em arquitetura e urbanismo da UFMG

O Colegiado dos Cursos de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, ouvindo seus respectivos Núcleos Docentes Estruturantes, definirá junto aos Departamentos quais atividades acadêmicas curriculares serão ofertadas na retomada do 2020-1 observando as seguintes condições:

  1. No momento não há previsão de data para realização de aulas presenciais. Portanto, no retorno ao 2020-1, devemos considerar as atividades acadêmicas curriculares que poderão ser ofertadas integralmente no formato ensino remoto emergencial (ERE);
  2. Entende-se por ERE, regime de ensino adotado temporariamente para desenvolver atividades acadêmicas curriculares com mediação pedagógica assentada nas tecnologias digitais de informação e comunicação, possibilitando a interação estudante-docente-conhecimento;
  3. O ERE é regulamentado pelo CEPE em resolução específica e tem como objetivo a substituição temporária das aulas presenciais de atividades acadêmicas curriculares teóricas, práticas ou teórico-práticas dos cursos de graduação da UFMG, em caráter excepcional, por atividades remotas durante período de pandemia da doença COVID-19;
  4. O ERE terá início em 3 de agosto de 2020;
  5. O ERE poderá ocorrer com aulas síncronas ou assíncronas. Quando síncronas, deverão ocorrer no mesmo período/dia e horário estabelecido pelo calendário original que organizou os encontros presenciais para o 2020-1;
  6. O turno noturno teve seu calendário alterado para se adequar ao novo Calendário Escolar 2020 definido na reunião do CEPE do dia 9 de julho;
  7. As atividades assíncronas devem ser priorizadas;
  8. Oferecer, preferencialmente, uma atividade síncrona para cada 15 (quinze) horas-aula;
  9. Todas as atividades síncronas deverão ser gravadas e disponibilizadas para os estudantes matriculados;
  10. Toda a comunicação oficial com os estudantes é feita pelo Moodle. O professor deverá estar atento ao transportar as turmas para outros espaços de ensino remoto, para que nenhum aluno fique perdido;
  11. Ao planejar o ERE o docente deverá objetivar as competências, habilidades e atitudes que deseja formar e ao final avaliar se as mesmas foram alcançadas;
  12. No ERE a carga horária será computada em horas de trabalho discente, ou seja, a soma das horas dedicadas à leitura, orientações, estudo dirigido, exercícios, aulas síncronas ou assíncronas, avaliações, seminários, trabalhos práticos etc. Sendo assim, a frequência estará associada ao cumprimento das horas de trabalho discente;
  13. Os departamentos, via formulário disponibilizado pelo CCGAU, informarão quais recursos serão necessários para cada atividade ofertada, a saber: softwares, domínio de ferramentas específicas, conhecimento prévio em aplicações e programas de computador etc. Deste modo, os estudantes poderão ajustar sua matrícula avaliando a possibilidade de cursar ou não o ERE proposto, dando abertura para que os mesmos usem as ferramentas que se sentem mais confortáveis e possuam acesso em casa; - respostas do questionário -
  14. As informações da oferta do ERE serão publicadas na wiki do CCGAU. (http://ccgau.indlab.net)


Belo Horizonte, 10 de julho de 2020
NDEs e CCGAU

referências

OFÍCIO CIRCULAR No 5/2020/PROGRAD-GAB-UFMG

Decisão sobre a substituição de aulas presenciais por atividades a distância.

OFÍCIO CIRCULAR Nº 7/2020/PROGRAD-GAB-UFMG

Funcionamento dos Colegiados dos Cursos de Graduação durante a situação de emergência em saúde pública.

OFÍCIO CIRCULAR Nº 13/2020/PROGRAD-GAB-UFMG

Planejamento do ensino remoto emergencial (ERE) – Orientações.

planos de ensino do ERE

download do modelo de plano de ensino da PROGRAD

Os artigos 5º e 6º da Resolução CEPE Nº 02/2020 definem as seguintes diretrizes para adaptação dos planos de ensino das atividades acadêmicas curriculares que serão ofertadas remotamente, pelos docentes responsáveis:

  1. Observar as instruções disponíveis no Guia publicado no site Integração Docente;
  2. Considerando as possibilidades das TDICs disponíveis para o ensino remoto emergencial, o professor responsável deverá, a partir da ementa da atividade acadêmica curricular, definir os objetivos da mesma com foco nas competências, habilidades e atitudes que ela visa formar. A partir dos objetivos, o conteúdo programático será definido pela seleção das unidades e conteúdos que poderão ser tratados remotamente;
  3. Definir quais estratégias de ensino-aprendizagem serão usadas, dentre as diversas possibilidades de atividades síncronas e assíncronas. Deverão ser priorizadas as atividades assíncronas e ser oferecida “uma atividade síncrona para cada 15 (quinze) horas-aula” (inciso III do § 1º do art. 6º). Ou seja, a título de exemplo, salvo em casos previstos pelos Colegiados, para uma atividade de 60 horas, espera-se a realização de, pelo menos, 4 atividades síncronas. Reiteramos que as atividades síncronas deverão ocorrer no mesmo horário previsto na oferta da atividade acadêmica curricular e deverão ser gravadas e disponibilizadas aos estudantes matriculados na turma correspondente;
  4. Considerar, para cômputo da carga horária total no cronograma do plano de ensino, não somente as horas previstas para aulas por videoconferência (síncronas) ou videoaulas (assíncronas), mas também a dedicação esperada para o estudante realizar remotamente as diversas tarefas síncronas e assíncronas propostas;
  5. Definir as estratégias de avaliação a partir das diretrizes apresentadas no Guia supracitado e normatização específica a ser aprovada pela CG;
  6. Esclarecer quais serão as TDICs usadas e bibliografia indicada;
  7. A partir das informações previstas nos itens acima, caberá, ao docente responsável pela turma, preencher o formulário Plano de Ensino – Ensino Remoto Emergencial, disponível no site da Prograd, publicá-lo no AVA Moodle da atividade (teórica, prática ou teórico-prática) correspondente, até a primeira semana de aula, para conhecimento dos estudantes matriculados e enviá-lo para Chefia do Departamento de acordo com os procedimentos previstos por essa.


Os departamentos ofertantes ou estruturas equivalentes deverão enviar aos Colegiados de curso de graduação, para cada atividade ofertada segundo o ERE, o formulário Plano de Ensino – Ensino Remoto Emergencial preenchido. Caberá ao Colegiado referendar tais planos, conforme prevê o inciso II do artigo 4º da Resolução supracitada.

Em atendimento ao § 4º do art. 1º da Portaria MEC Nº 544, os Colegiados deverão publicar, para registro, no Moodle da Prograd, os planos de ensino referentes a todas as atividades com carga horária prática. Para as atividades teóricas ofertadas remotamente, não será necessário o envio à Prograd dos respectivos planos de ensino, mas somente registro interno nos Colegiados.

Informamos que, para atender a essas diretrizes, estão previstos ajustes no Diário Eletrônico de forma a permitir que o docente registre as atividades síncronas e assíncronas no cronograma de cada atividade acadêmica curricular. Recomendamos que seja aguardada a implementação desses ajustes para reedição dos planos de ensino no Diário Eletrônico.